top of page

OS ENIGMAS DO PONTO NEMO, O LUGAR MAIS DISTANTE DA TERRA

Para se ter uma ideia, os humanos mais próximos dela são, geralmente, astronautas — que estão em orbita da Terra à distância máxima de 416 quilômetros



Escuridão total, um verdadeiro breu. Ao fundo, só é possível ouvir os sons da água, do oceano quebrando. Nada, mais. Sem vida, sem chão, só o céu. É a natureza em sua forma mais pura de imensidão. Assim pode ser descrito o Ponto Nemo, também chamado de Polo Oceânico de Inacessibilidade, ou o lugar mais distante da Terra.  

O nome foi dado ao famoso anti-herói marítimo da obra de Júlio Verne, o Capitão Nemo. Em latim, significa “ninguém”, o que se torna adequado para um lugar que é raramente visitado pelas pessoas.  

O Ponto Nemo está localizado a mais de 1.600 quilômetros equidistantes de três ilhas: A Ilha Ducie (uma das ilhas de Picairn), vizinha a Polinésia Francesa e anexada ao Reino Unido em 1902; a Motu Nui, (da cadeia da Ilha de Páscoa); e a Ilha de Maher (na costa da Antártica). 


O Polo Oceânico de Inacessibilidade foi descoberto oficialmente em 1992, pelo engenheiro pesquisador Hrvoje Lukatela que, em terra firme, usou um software de computador especializado que incorporou a forma elipsoide do planeta para obter sua máxima precisão, e determinou o ponto mais distante possível.  

"A localização de três pontos equiláteros é bastante única e não há outros pontos na superfície da Terra que poderiam substituir qualquer um deles", diz Lukatela para a BBC. Com o passar dos anos, é possível que uma medição melhor, ou a erosão costeira, mudem a localização do Ponto Nemo, "mas apenas na ordem dos metros".  


Para se ter uma ideia, o Ponto Nemo fica tão longe da terra, que os humanos mais próximos dela são, geralmente, astronautas. A Estação Espacial Internacional, por exemplo, orbita a Terra a uma distância máxima de 416 quilômetros. Enquanto isso, a massa de terra habitada mais próxima do Ponto Nemo está a mais de 2.700 quilômetros de distância.  


Isso faz, na verdade, com que toda a região ao redor do Ponto Nemo seja bem conhecida pelas agências espaciais. Afinal, a área é conhecida como “área desabitada do Oceano Pacífico Sul” e utilizada — em particular por agências espaciais russas, europeias e japonesas — como depósito de lixo, já que é o ponto do planeta com o menor número de habitantes e rotas de navegação.  


Acredita-se que mais de uma centena de espaçonaves desativadas ocupem agora este “cemitério a céu aberto” que abriga desde satélites e navios de carga até a extinta estação espacial Mir. Assim, em vez de monumentos únicos relatando a história das viagens espaciais, os restos dessas missões estão espalhados no fundo do oceano em pedaços, sendo colonizados e consumidos por qualquer criatura que viva naquela profundidade.  

E por falar em vida, que tipo de espécie reside no Ponto Nemo? 

Por ser uma área praticamente inacessível, muitos especulam sobre o que existe no Ponto Nemo. 66 anos antes de sua descoberta, o escritor HP Lovecraft escolheu um lugar assustadoramente próximo ao Polo Oceânico de Inacessibilidade para ser o lar de sua lendária criatura com cara de tentáculos: Cthulhu.  



Em 1997, oceanógrafos registraram um ruído misterioso a menos de 2.000 km a leste do Ponto Nemo. Isso gerou grande empolgação e certo temor. O som, apelidado de "o Bloop", era mais alto do que, até mesmo, o de uma baleia azul — levando à especulação de que o mesmo foi feito por algum monstro marinho desconhecido.


Porém, de acordo com a Administração Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos, o "Bloop" seria o som de grandes icebergs se rompendo nas profundezas da região. Ou seja, nada de criaturas fantásticas.   


Mas o que vive lá? Segundo o oceanógrafo Steven D'Hondt, da Universidade de Rhode Island em Narragansett, possivelmente, não muita coisa. Isso ocorre porque o Ponto fica dentro do chamado Giro do Pacífico Sul — uma grande corrente oceânica em rotação: limitada a leste e oeste pelos continentes da América do Sul e Austrália, ao norte pelo equador e ao sul pela forte Corrente Circumpolar Antártica. 


Um ponto fundamental para essa afirmação é que as águas dentro do giro são estáveis, atingindo uma temperatura superficial de 5,8 °C no Ponto Nemo, segundo dados dos satélites da NASA. A corrente giratória bloqueia a entrada de água mais fria e rica em nutrientes. Além disso, como a região é isolada de massa, o vento não carrega muita matéria orgânica. 


Como resultado, há pouco para alimentar qualquer coisa. Sem nenhum material caindo de cima como "neve marinha", o fundo do mar também fica sem vida. D'Hondt o descreve como "a região menos biologicamente ativa do oceano mundial". Ainda assim, existem alguns pontos excepcionais onde criaturas únicas podem sobreviver.



14 visualizações

Posts recentes

Ver tudo
logo novo SimNet.png
mundo-suas-mãos---box-site-200.jpg
bottom of page